Anuncie aqui   

  Segunda-feira, 22 de abril de 2019 - 7h37

 Webmail   Senha     
    Home  
    SERVIÇOS  
    Agenda  
    Cadastre seu currículo  
    Classificados  
    Contribuições  
    Cursos  
    Eventos  
    Façonistas  
    Notícias  
    Produtos da região  
    Webmail  
    Outros serviços  
    INSTITUCIONAL  
    Ações  
    Associe-se  
    Anuncie aqui  
    Clipping  
    Fale conosco  
    Galeria de fotos  
    Imprensa  
    Parceiros  
    Sinditec  
     
 
Sinditec On-line
  Nome
 
  E-mail
 

não quer mais
receber? clique aqui

 
     
 
Sinditec Online
 
Valor Econômico - STF retoma este ano processos de grande repercussão para empresas
 
20/01/2015
 

 Empresários esperam que o Supremo Tribunal Federal (STF) decida este ano disputas que podem reduzir encargos e, com isso, elevar a competitividade das companhias

O que hoje mais atormenta o empresariado são os aspectos trabalhistas e tributários. Mas dependendo da companhia, essa ordem pode ser invertida, afirma o gerente jurídico da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Cássio Borges.

Só em um dos processos estão em jogo cerca de R$ 250 bilhões. Essa é a estimativa da Receita Federal a respeito do impacto nos cofres públicos, se o Supremo decidir que para calcular o PIS e a Cofins a pagar, deve-se excluir os valores relativos a outro tributo: o ICMS. Para a CNI, o imposto estadual não pode ser incluído no cálculo do PIS e da Cofins, que incidem sobre o faturamento, pois torna o lucro da companhia artificialmente mais elevado.

Os ministros do Supremo já entenderam, em julgamento de recurso extraordinário no ano passado, que o ICMS não compõe a base de cálculo do PIS e da Cofins. No entanto, o caso era antigo e não tinha ainda a chamada repercussão geral - mecanismo que reconhece a importância do tema e que serve de parâmetro para ações em andamento sobre o mesmo assunto. Atualmente, está pendente de julgamento no STF uma ação declaratório de constitucionalidade (ADC) que trata do assunto.

Se o Supremo reafirmar o que ele julgou no ano passado, isso terá um impacto grande e muito bom para a indústria, ressaltou Borges. Para ele, há a perspectiva de que essa questão seja analisada ainda em 2015 por ser um processo que não é setorial, e sim de interesse geral.

Essa é a mesma característica de outra ação tributária, mas que tem efeitos significativos no mercado de trabalho: o pedido para acabar com a multa adicional de 10% sobre o Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS) nos casos de demissões sem justa causa. Os empresários gastam cerca de R$ 4 bilhões por ano com os 10% do FGTS, segundo estimativas do governo e do empresariado.

Esse valor é somado ao percentual de 40% sobre o FGTS que a empresa tem de pagar ao demitir um funcionário - forma encontrada pelo governo, em 2001, para compensar as perdas dos trabalhadores relativas ao FGTS, com as mudanças instituídas pelos planos econômicos Verão (1998) e Collor (1990).

Um caso semelhante já foi analisado pela Corte, que manteve a cobrança adicional. Mas a CNI apresentou argumentos diferentes em uma ação direta de inconstitucionalidade, que tem efeito sobre todos.

A multa é uma contribuição, o que diferentemente de um imposto tem que ter um propósito específico. Mas, nesse caso, o objetivo já foi alcançado, afirma Borges. Sendo assim, não há mais propósito legal a justificar a cobrança do adicional, diz.

No entanto, para Procuradoria-Geral da República (PGR), o pedido deve ser negado. Isso porque, segundo o órgão, em parecer de julho do ano passado, a contribuição é compatível com a Constituição Federal.

Outro processo listado entre os de destaque pela CNI questiona a possibilidade de a Receita Federal multar a empresa que fez um pedido de ressarcimento ou compensação de créditos tributários, mas teve o pleito negado. Segundo a entidade, isso deixa o empresário receoso em tentar recuperar recursos aos quais teria direito se, por exemplo, calcular errado o valor de um imposto.

É inconstitucional, porque viola o devido processo legal, a ampla defesa, a presunção de inocência. De certa maneira, se aplica uma penalidade pelo simples fato de ter um pedido indeferido, afirma o gerente jurídico da CNI.

Também há a perspectiva de o Supremo, enfim, decidir que tipo de serviço pode ser terceirizado por uma empresa, segundo Borges. O debate sobre terceirização no país é antigo e, de acordo com a entidade, pode ser julgado em 2015. Há pelo menos quatro ações sobre o tema.

Súmula editada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) proíbe a terceirização de atividades-fim, ou seja, as principais de uma empresa. Em uma das ações que tratam do assunto, os ministros do STF vão analisar se essa súmula é válida. Não há uma lei sobre terceirização. Pode uma súmula me impedir de fazer isso? Se o Supremo derrubá-la, pode, para não ficar um vácuo, declarar também que tipo de atividade pode ser terceirizada, diz Borges.

Também não está claro, para a CNI, como definir o que é atividade-fim de uma empresa e o que é atividade-meio, aquelas que poderiam ser terceirizadas, pois não há participação direta dos trabalhadores no produto ou serviço.

Desde o fim de dezembro, o Judiciário está em recesso, em regime de plantão. Embora a pauta das primeiras sessões do ano ainda não tenha sido publicada, a partir de fevereiro os ministros do STF voltam a julgar os processos em plenário.

Fonte: Valor Economico, 19/01/15

 
 

Voltar

 
       
   

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE TECELAGEM, FIAÇÃO, LINHAS, TINTURARIA, ESTAMPARIA E BENEFICIAMENTO DE FIOS E TECIDOS DE AMERICANA, NOVA ODESSA, SANTA BÁRBARA D’OESTE E SUMARÉ
Avenida Rafael Vitta, 1.073 | São Domingos | Americana - SP | CEP 13465-436
Fones: (19) 3407-1050 | 3405-8996 | 3406-8161 | E-mail:
sinditec@sinditec.com.br

© 2009/2019 Sinditec - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por
Net Exata